Não viva achando: “O que os olhos não veem, o coração não sente.” Você pagará essa conta na eternidade.

Se o outro não sabe, não sou responsável. Se o outro não sabe, não há motivos para desespero!” Essa é a lógica do ditado popular “o que os olhos não veem, o coração não sente.

Há quem segue à risca e crer nessa lógica, sim, há pessoas assim. Geralmente os que assim agem, estão acostumados a fazerem suas tramoias e, como nada ainda foi descoberto, continuam na mesma como se nada fosse mudar, até porque, nada realmente mudou até agora para eles, então, o sentimento de impunidade infectou suas consciências.

Tudo que fazemos na vida, tudo o que realizamos, seja bons atos ou não, ecoa para o futuro, nada fica impune na vida, nada fica despercebido.

Não precisamos nos aprofundar sobre questões de soberania de Deus, de presciência divina, mas pense no momento em que Deus percebe que Adão e Eva os traíram, feriram o acordo, violaram as regras, pense no tom da voz de Deus dizendo: “Adão, ondes estais?” Óbvio que Deus sabia de tudo, mas Deus pergunta desejando obter uma resposta para mostrar a Adão que ele o traiu. Adão sabia, mas Deus quis prova-lo o que ocorreu e posteriormente aplicar as consequências.

O livro de Hebreus nos diz claramente que “não há criatura alguma encoberta diante dEle, e que todas as coisas estão nuas e patentes aos olhos daquele a quem havemos de prestar contas” (Hb 4:12). Jeremias nos diz que nada conseguimos esconder de Deus (Jr 16:17). Podemos achar que estamos passando batido, aliás, já fizemos outras coisas escondidas e nunca deu em nada, aí Salomão em Eclesiastes nos explica essa dinâmica: “Não se executa logo o juízo sobre a má obra, por isso o coração dos filhos dos homens está inteiramente disposto para fazer o mal” (Ec 8:11). Leia com calma, Eclesiastes nos diz que nós só estamos dispostos a fazer o mal, porque quando o fazemos a consequência não se chega no momento, logo, faço porque involuntariamente penso que continuarei impune. Afinal de contas, Deus é amor, né, dizem estes.

Deus há de nos julgar segundo as nossas obras, parece que tudo que fazemos fica anotadinho na agenda de Deus. Nada fica impune, até mesmo o que se faz nas escondidas. Aliás, existe um adágio popular que diz: “Se ninguém pode saber, não faça, é errado!” Tudo que fazemos escondido, perceba se há Deus nisso, analise se tudo que é feito escondido tem a marca de Deus. A bíblia quando diz que Deus há de nos julgar segundo as nossas obras. Todas as nossas ações que serão julgadas por Deus, são ações que fizemos ao próximo (escondidos ou não), todo mandamento que Deus estabeleceu para o homem foi para o bem do homem, nada que fizemos a nós terá o peso do mal que fizmos ao outro, por isso, Jesus disse que o maior todos os mandamentos é “amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a mim mesmo” (Mt 22:37 a 39).

Você pode esconder de todo mundo, pode fazer bem feito, pode efetuar uma traição sem que ninguém descubra (embora, a energia desse negócio emita comportamentos), dEle você não esconde! Hoje com as mídias sociais tem ocorrido diversos casos de tramoias e traições virtuais, que de nada se difere da traição física. TRAIÇÃO é um dos maiores males do mundo, a coisa mais perversa que possa existir nas relações pessoais, ela é perversa porque você fere a confiança depositada, você viola os acordos feitos, e quando isso é descoberto, você degrada a alma da outra pessoa, em certas pessoas o trauma pode ser, até mesmo, irreparável.

Provérbios diz que “é mais difícil reconquistar uma pessoa ferida do que uma cidade fortificada” (Pv 18:19), quando a gente percebe que recebeu a traição em troco de todo esforço empreendido numa relação, ou a pessoa se torna um cínico, um ser insensível a partir daquele momento que se viu sendo sacaneado, ou então, se isola e nunca mais que saber de quem o feriu. Imaginem na frustração em ser traído, em ter os acordos e os pactos quebrados com o outro, em ter a confiança violada, traída e jogada no lixo? É pesado, e só é pesado porque quem geralmente nos trai é quem convive com a gente, por isso que é frustrante, causa dor e, às vezes, culpa, porque a gente sente que não deveria ter depositado tal confiança. Davi disse os nossos íntimos, são esses que nos traem: “Até o meu próprio amigo íntimo, em quem eu tanto confiava, que comia do meu pão, levantou contra mim o seu calcanhar” (Sl 41:9). É decepcionante! Penso como teria sido essa traição que Davi recebeu de uma pessoa íntima, será que a pessoa falou mal dele para outra? Será que foi difamado, injuriado, caluniado…? A IRONIA MORA AQUI: Será que nas “academias de musculação que Davi frequentava” a pessoa íntima falou mal dele para outras pessoas sem que ela imaginasse que o traído Davi descobriria? Será que Davi foi “traído virtualmente” por curtidas, comentários e certas amizades silenciadas no Instagram? Será que Davi ouviu este elogiando seus algozes? Enfim, há diversas formas de se quebrar acordos estabelecidos e ferir alguém seriamente através da traição. Posso, sim, imaginar na dor de Davi ao dizer estas palavras.

Estamos assistindo casos assim no mundo atual, como sabemos que nos últimos dias o amor ia esfriar-se, e que vivemos dias difíceis e trabalhosos, como bem previu Paulo, logo, estamos assistindo isso acontecer com o vizinho e conosco. Quando li certa vez que em certo país de primeiro mundo, 40% dos divórcios são culpa de traições virtuais, cônjuges que traíram seus parceiros virtualmente. As redes sociais influenciam demais, mas quem usa detém toda a responsabilidade. Relações onde não se há transparência, isso acontece a rodo. O lado bom em se ter transparência numa relação, por exemplo, quando um cônjuge tem acesso ao celular do outro, é que numa hora ou outra você acaba descobrindo que foi traído e que teve seu contrato e acordo quebrado pela outra pessoa, que em outro momento se não tivesse acesso ao celular, não descobriria, por mais que em certos casos se consiga fazer “bem feito”, a bíblia diz que “a mentira dura só um momento” (Pv 12:19). Como se diz, ela tem pernas curtas.

E o que devemos fazer, se formos o elemento traído por aquele(a) que viveu achando que pelo fato de que “o que não é visto e ouvido o coração não sente”, o outro não iria descobrir; o que fazer?

Confie naquele que não vai te trair em nada e em nenhuma circunstância. Permaneça depositando confiança no outro, não mais em quem te traiu. Confiar faz parte da vida, até porque vivemos confiando no outro, até o mais desconfiado vive depositando confiança em alguém. Quando vamos a um médico, por exemplo, confiamos nele, quando pegamos um ônibus ou avião, confiamos no piloto… Não tem com viver sem confiar em alguém, apenas analise melhor em quem confiar.

Rubens Júnior,
06/11/2022.